nTurismo – conheça o mundo

visite o mundo sem sair de casa

Cidade Velha, centro histórico da Ribeira Grande

 

A Ilha de Santiago foi descoberta por volta de 1460 e reivindicada para a coroa de Portugal. Não havia nenhuma presença humana na ilha. Exploração das ilhas do arquipélago, levou ao desenvolvimento do porto de escala da Ribeira Grande nos anos que se seguiram. Logo em 1466 foi concedida uma carta real que permita a seus habitantes a praticar o comércio de escravos. Tornou-se um porto de escala essencial para o tráfego marítimo português, primeiro no sentido das costas da África e mais tarde para o cabo. A construção das primeiras estruturas defensivas, a Câmara Municipal e a primeira igreja começou no final do século XV (ver descrição).

Ribeira Grande foi uma localização ideal, isolada e particularmente bem colocada para a organização do tráfego triangular transatlântico, o comércio de escravos africanos, que os portugueses tinham teoricamente um monopólio sob o Tratado de Tordesilhas (1494). O monumento antigo Pelourinho fornece evidência direta das ligações com violência estabelecida pelo sistema da escravidão.

No século XVI a cidade desenvolveu-se rapidamente, favorecido por uma posição marítima excepcional, sua localização geográfica inter continental e Açores atual. Ribeira Grande testemunha o primeiro sucesso do Europeu de navegação no alto mar. Foi uma grande encruzilhada para um comércio português que rapidamente se tornou globalizada. As frotas deixando para ou que chegam da Guiné, o Oceano Índico, Índia, Sião, Brasil, as Antilhas e, claro, Europa se reuniram lá, para troca de mercadorias, plantas, homens e informações.

Ribeira Grande foi concedido o estatuto de uma cidade real e tornou-se o primeiro bispado de Cabo Verde e a costa africana em 1533, institucionalização de seu papel como um lugar de trânsito, comércio e uma variedade de contatos entre vários povos africanos, bem como entre homens europeus livres e escravos africanos. Os escravos foram dados os rudimentos da cultura européia e evangelizados antes de ser remetido para a Europa ou Américas.

Apesar de sua área limitada, a Cidade Velha é um lugar importante na história da Agronomia, formando assim como um centro de trânsito e de aclimatação para muitas espécies de plantas. Nos séculos XVI e XVII em particular foi um jardim experimental e uma estufa para sementes e plantas de todos os continentes que foram enviados para outros países, como eles eram necessários. O clima seco, mas relativamente quente, sobre os quais os ventos alísios explodiu, em uma posição fulcral entre zonas temperadas e tropicais, oferecidas condições favoráveis para uma vegetação muito diversificada, desde que água doce estava disponível. Entre as plantas em causa eram a cana de açúcar, banana, o coco Leste Africano, milho americano, frutas cítricas e dos figos da Europa, algodão, etc.

Durante um século e meio a importância geo estratégica da cidade foi baseada em seu papel como um importante porto de escala e a importância do seu mercado de escravos. Ele concentrou-se considerável riqueza em um espaço particularmente limitado, defendida por um complexo sistema de fortificações e muralhas. Ele atraiu as atenções de muitos marítimos, por exemplo, Sir Francis Drake da Inglaterra saqueou a cidade em 1585. O sistema defensivo foi reforçado pela fortaleza real de São Felipe, concluída em 1593, um dos mais fortes de seu tempo.

A partir do século XVII, no entanto, os novos poderes marítimos europeus com sucesso desafiaram a hegemonia comercial oceânica de Portugal e Espanha. Jacques Cassard, um corsário de Nantes, atacado e devastado a Ribeira Grande em 1712 em nome de Luís XIV, mas já por essa altura já não era a cidadela marítima rica e poderosa dos séculos anteriores. O declínio da cidade tornou-se mais pronunciado no século XVIII; as classes de elite deixaram a cidade, e Praia foi preferido como um porto de escala comercial. Funções políticas e administrativas foram transferidas para Praia na segunda metade do XVIII e no início do século XIX. A falta de materiais de construção e a proximidade das duas cidades resultou na demolição de um grande número dos melhores edifícios construídos, em benefício da nova capital. Foi então que Ribeira Grande se tornou a ‘Cidade Velha’.

No entanto, um assentamento residual sobreviveu no meio de ruínas da cidade colonial portuguesa no século XIX e, em seguida, foi parcialmente reconstruído na segunda metade do século XX. Ele tem uma certa importância local e tem desenvolvido habitação tradicional que é típica de Cabo Verde.

Uma campanha de restauração inicial foi realizada na década de 1960, envolvendo a fortaleza real, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário e o monumento de Pelourinho. Em 1992 ICOMOS descreveu o nível científico desta campanha como medíocre.

Na década de 1970 o Estado parte olhou novamente na Cidade Velha, a fim de avaliar a propriedade e a sensibilização. Uma missão da UNESCO inicial teve lugar em 1978. Isto, no entanto, não foi mais devido à falta de recursos humanos e financeiros. Um segundo programa de consolidação dos vestígios e a restauração foi realizado em 1999-2003. Ele continua, com a ajuda da cooperação internacional, particularmente no conjunto urbano.

A cidade da Ribeira Grande, renomeada Cidade Velha, no final do século XVIII, foi o primeiro posto avançado Europeu colonial nos trópicos. Localizado no sul da ilha de Santiago, a cidade apresenta alguns do layout original de rua impressionante que permanece incluindo duas igrejas, uma fortaleza real e Pelourinho praça com sua ornado século XVI mármore pilar.

Imagens (c): Iwoelbern; Mitoelias; Iwoelbern; CorreiaPM; Ji-Elle

CidadesPaisagem CulturalPatrimónio da Humanidade

Automatico • 29 de Junho de 2012


Previous Post

Next Post

Deixar uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *