nTurismo – conheça o mundo

visite o mundo sem sair de casa

Mosteiro da Batalha

 

Construído em cumprimento de uma promessa por Rei D. João I, para comemorar a vitória sobre os castelhanos em Aljubarrota (15 de agosto de 1385), o mosteiro dominicano da Batalha é uma das grandes obras-primas da arte gótica. A maioria das datas complexas monumentais do reinado de D. João I, quando a Igreja (acabada em 1416), o claustro real, a casa do capítulo e a capela funerária do fundador foram construídos.

Após uma breve interrupção, trabalho começou novamente sob Rei Duarte sobre a prorrogação do coro, a construção de sua capela funerária e que seus descendentes, um espaçoso edifício com base em um plano octogonal que a morte do rei em 1438 deixada inacabada. O design foi atribuído ao arquitecto inglês mestre Huguet. A Planta da capela consiste de um espaço octogonal inserido dentro de um quadrado, criando dois volumes separados que combinam mais harmoniosamente. O teto consiste de uma lanterna em forma de estrela de oito pontos. A característica mais dramática é a ser localizado no centro da capela, a enorme tumba medieval de D. João I e sua esposa, Filipa de Lencastre, o primeiro túmulo para marido e mulher feito em Portugal, no qual estão esculpidos os brasões das casas de Avis e Lencastre. Compartimentos nas paredes da capela contêm os túmulos de seus filhos, entre eles o Príncipe Henrique, o navegador.

A entrada principal da Igreja é através do pórtico da fachada oeste. Em ambos os lados deste portal são esculturas dos doze apóstolos permanente em consoles. No centro está uma estátua de alto relevo de Cristo em Majestade rodeado por evangelistas, emolduradas por seis Arcos decorados com esculturas bíblicas, Reis e rainhas, profetas e anjos segurando instrumentos musicais da idade média. Esta grande profusão de esculturas é completado pela coroação da Virgem Maria.

O interior da Igreja remete para o período de sóbrio e majestoso do gótico, que permaneceu inalterado por adições posteriores. A nave e os corredores são separados por grossos pilares coroados pelas capitais com motivos vegetais. As janelas da capela-mor, decorada com belas século XVI vitrais representando a visitação, a adoração dos Magos, o ‘vôo’ para o Egito e a ressurreição de Jesus Cristo, projeto uma luz difusa que dá a Igreja uma sensação de grande espiritualidade.

O último grande período do Mosteiro da Batalha, coincidiu com o reinado de D. Manuel I, que construiu o vestíbulo monumental e o portal principal e restaurado o claustro real, construído no reinado de Dom João I. Os arcos com vista para o jardim foram construídos mais tarde e são enfeitados com traceria finamente esculpida exibindo os emblemas de Dom Manuel I, a Cruz da ordem de Cristo e a esfera armilar. Nas galerias são portas levando a várias salas do antigo mosteiro, começando com a grande casa do capítulo, um exemplo maravilhoso de arcos aguçados da arquitetura gótica, em que o tecto abobadado enorme não tem nenhum suporte central.

Como um monumento com um valor simbólico desde a sua fundação, o Mosteiro da Batalha foi, durante mais de dois séculos, a grande oficina da monarquia portuguesa. Não é de estranhar que as características de poleiro de uma arte nacional teria sido determinadas lá, durante os períodos de renascimento e gótico.

O Mosteiro da Batalha é o Conservatório de várias expressões privilegiadas de arte portuguesa: o sóbrio e audacioso estilo arquitetônico do final do século XIV, com a nave estupenda da abacial, de que a elevação de dois andares, quantidade mínima de amplas arcadas e janelas altas, processa mais impressionante suas dimensões; a estética exuberante das capelas imperfeitas; as arcadas brilhantes, maravilhosos bordados, num trabalho de rendas de pedra, o barroco manuelino, é ainda mais perceptível a decoração ‘perfurada’ do rendilhado de arcadas do claustro real do que no portal da imenso atribuído a Mateus Fernandes o velho, e finalmente, o estilo híbrido de João de Castilho, arquiteto da galeria, construída sob João III.

Imagens (c): Waugsberg; PORTOGALLO2007; pereiraalexandre20; PORTOGALLO2007; Raph

MonumentosMosteirosPatrimónio da Humanidade

Automatico • 23 de Junho de 2012


Previous Post

Next Post

Deixar uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *