nTurismo – conheça o mundo

visite o mundo sem sair de casa

Centro Histórico de Florença

 

A partir do século XV, Florença exerceu uma poderosa influência sobre o desenvolvimento da arquitetura e das artes monumentais, primeiro na Itália e, em seguida, em toda a Europa. O centro histórico atesta de forma excepcional e por sua coerência exclusiva, ao seu poder como uma comerciante-cidade da idade média e o renascimento. Entre os séculos XIV e XVII foi coberto com prestigiadas edifícios que ilustrou a magnificência dos banqueiros e príncipes.

Fundada em 59 A.C. como uma colônia romana conhecida como Florentia, somente no século XI fez a comuna livre de Florença começam a suceder – ambos politicamente e economicamente – onde outras cidades da Toscana tinham falharam, com o processo lento, mas sem que culminou com a anexação de Siena em 1557. No século XV, a cidade atingiu o ápice de seu esplendor, graças parcialmente à presença em Florença de tais gênios como os arquitetos Filippo Brunelleschi e Leon Battista Alberti, os pintores Masaccio, Paolo Uccello e Sandro Botticelli e os escultores Donatello, Lorenzo Ghiberti e Luca della Robbia, como o inesquecível Michelangelo Buonarotti e Leonardo da Vinci.

Já no século XV, o governo republicano foi abolido e a dinastia Medici assumiu. Apesar das repetidas tentativas (todas sem sucesso) para restaurar a República, o Médici governou o Grão-Ducado da Toscana até que se extinguiu, em 1737. Regra, em seguida, passou para a família de Lorraine, que permaneceu no poder até 1859, quando Florença foi anexada pelo Reino da Itália. Foi a capital política da Itália entre 1865 e 1870, além de ser a capital cultural.

Construído sobre a cidade romana, o centro histórico de Florença pode ser melhor descrito como um baú de obras de arte e arquitetura. Definido pelas muralhas do século XIV e construído graças ao negócio enorme e poder económico que atingiu Florença, os dois séculos sucedendo foram idade de ouro de Florença. O foco espiritual da cidade é a Catedral Piazza de Santa Maria del Fiore, com o campanário de Giotto, de um lado e o batistério de São João na frente, com os portões do Paraíso por Lorenzo Ghiberti. Indo norte daqui, um vem através do Palazzo Medici Riccardi-por Michelozzo e Basílica de St Lawrence por Brunelleschi, com as sacristias no interior, projetado por Donatello e Michelangelo. Mais sobre são o Museu de St Mark do, com obras-primas do Fra Angelico, a Galleria dell’Accademia com “David” de Michelangelo em (1501-4) e Piazza Santissima Annunziata com o Lodge do Santo inocentes por Brunelleschi. No lado sul da catedral é o centro político e cultural de Florença, com o Palazzo Vecchio e da Galleria degli Uffizi nas proximidades. Perto estes são o Museu del Bargello e a Basílica da Santa Cruz. Do outro lado da Ponte Vecchio é o Oltrarno trimestre, com o Palácio Pitti e os jardins de Boboli. Ainda em Oltrarno, menção deve ser feita da Basílica do Espírito Santo por Filippo Brunelleschi e a Igreja carmelita, com seus afrescos de Masolino, Masaccio e Filippino Lippi. A oeste da Catedral estão o imponente palácio Strozzi e a Basílica de Santa Maria Novella, sua fachada desenhada por Leon Battista Alberti.

O centro histórico pode ser visto admiravelmente em sua totalidade das colinas circundantes, especialmente Piazzale Michelangelo (apenas sob a basílica românica de San Miniato) ou Fiesole, ambos dos quais oferecem algumas das mais espetaculares vistas do vale de Arno.

Images (c): Fiskum; Thermos; AlonD (public)

Centro Histórico de FlorençaCidadesEuropaItáliaPatrimónio da Humanidade

Automatico • 21 de Março de 2012


Previous Post

Next Post

Deixe uma resposta

Your email address will not be published / Required fields are marked *